quarta-feira, 13 de julho de 2011

Vida campesina.

A vida de outros tempos, no mesmo lugar,
Era pacata, simples, monótona e rotineira.
Trabalho, campo, família, vizinhos, altar,
Serões animados, com cantoria à lareira.

Agora, dias sem Jornais, Internet, Televisão,
São horas infindas de bocejo, modorra e neurose,
Como se viver dependesse da tecnologia e da razão,
Esquecendo pessoas que falam, historiam, em osmose.

Hoje a vida não tem passado nem presente.
Vive-se em função do amanhã, do futuro,
Esquecendo-se que o ontem é já ausente.

O amanhã é uma incógnita permanente,
Desperdiçar os dias com o depois, inseguro,
Será, porventura, loucura e tontaria imprudente.

8 comentários:

  1. Gostei bastante do Blog.
    Muito interessante !

    É bom ver a cada dia que passa mais originalidade nessa "blogosfera". :)

    Deixo o meu aqui caso queira dar uma olhada, seguir..;
    http://bolgdoano.blogspot.com/

    Muito Obrigada, desde já !

    ResponderEliminar
  2. Ainda lembro do fogão a lenha, trem maria fumaça, rádio vitrola e outras coisas do passado,quando eu ainda era bem criança, onde as pessoas estavam sempre juntas, o progresso mudou muito a vida das pessoas, muitas coisas melhoraram mas paga-se sempre um preço, tipo "Admirável Mundo Novo" de Aldous Huxley.Muito bom esse texto, parabéns.

    ResponderEliminar
  3. Zé como tive um bocadinho hoje vim visitar-te. Esses dias de que falas, que se viviam antigamente, pode também ser vividos hoje. Pelo menos no fim-de-semana vivo assim, calmamente, raramente ligo a TV, net nem pensar, vivo no meio da natureza. Agora já nem os cavalos faltam. É essa a vida que me faz feliz. Sempre adorei a calma, a paz e o campo dá-nos tudo isso. Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Amanda,
    Muito obrigado por ter passado por este espaço desabafo e recordações. Vou já visitar o seu blogue.
    Grande abraço
    Caldeira

    ResponderEliminar
  5. Arnoldo,
    Que saudades. Já há tempos que não nos falamos. Tenho estado sem net há cerca de um mês. O admirável Mundo Novo não será tão admirável assim e, porventura, nem tão novo, apenas mais complicado.
    Grande abraço
    Caldeira

    ResponderEliminar
  6. Brown Eyes,
    Obrigado por teres passado por aqui. Tens sorte de ter cavalos e um espaço rústico a condizer. Eu vivo numa aldeia mas em que só há velhos, vestidos pretos, luto e pouco mais. Não tenho a sorte de viver o bucólico que poderia existir se houvesse gente com quem pudesse falar.
    Beijinhos
    Caldeira

    ResponderEliminar
  7. Zé,
    uma verdadeira radiografia poética dos tempos que correm.gostei!
    beijooooo

    ResponderEliminar
  8. Em@,
    Obrigado pela simpatia. Ainda bem que gostaste. Eu tenho sempre a sensação de que o escrevo em forma de poesia não vale nada.
    Beijinho
    Caldeira

    ResponderEliminar