segunda-feira, 17 de outubro de 2016

NÃO ESQUECER!



É preciso não esquecer. É primordial não esquecer. É lapidar não esquecer. É basilar não esquecer que foi o Sócrates, o Vieira da Silva, o Silva Pereira, o Teixeira dos Santos, o Costa, o Santos Silva e muitos outros, com a conivência do Constâncio que entrámos na bancarrota.

Foram estes senhores que hipotecaram o País até, pelo menos, ao ano de 2035. A maioria das pessoas da minha idade não estarão cá para ver o resultado. Mas, o que sabemos e o que sentimos hoje e que se arrasta desde há quase uma década, é que estamos cada vez mais pobres, mais infelizes, mais tristes e mais deprimidos. Temos razão para isso.

Eles roubaram, deixaram os amigos roubarem os dinheiros públicos e nós é que estamos a pagar os seus desvarios, os seus escândalos, a sua corrupção e toda a delapidação dos bens públicos que, em última instância, são de todos nós e a eles apenas lhes cabe administra-los bem enquanto estão no Poder.

Não foi isso que fizeram e os resultados estão à vista. Cada vez mais fome. Mais insegurança. Mais roubos. Mais assaltos de toda a espécie.

Não podemos esquecer que o Passos com a conivência do Portas, para que o dinheiro entrasse nos cofres decidiu sugar até ao tutano quem trabalha ou que trabalhou e não tem hipótese de escapar ao esbulho que perpetraram. Tantos que ficaram sem a sua casa como muitos milhares de euros pagos à banca e que, devido ao desemprego e à falta de rendimentos que por direito tinham adquirido, deixaram de pagar a prestação e a hipoteca da casa e o despejo dos legítimos donos foi um ver se te avias.

Não podemos esquecer que todos estes abutres com a conivência do Costa do Banco Central foram os coveiros deste povo simples, trabalhador e honesto que, de repente, se viu forçado a vir para a Rua pedir esmola ou roubar.

Enquanto isso os ricos, os donos disto tudo, enriqueceram mais e mais. Não ganham salários recebem prebendas de milhões da máfia instalada no Poder ou com Poder para taparem o escândalo dos políticos corruptos, incompetentes, ignorantes e malfeitores.

Os primeiros e principais responsáveis por esta calamidade e esta desgraça foi, como já se disse, o Sócrates e seus cúmplices e beneficiários. Os outros, para pagar dívidas espoliaram quem não devia, e não tocaram em quem se aproveitou do regabofe Socratino.

Não podemos esquecer as promessas da esquerdalha que nos governa e que apareceu como virgem cândida e pura a dizer que palavra dada é palavra honrada e que, até hoje e já passou mais de um ano, ainda pouco ou nada cumpriu. Bem pelo contrário.

Há uma pequena diferença: - a actriz frustrada Catarina não abre a boca ou, quando abre, é para referir a coca-cola como símbolo de um capitalismo selvagem. A Mortágua, com a sua aparente ingenuidade, veio a mostrar-se como mais uma sanguessuga do sistema. Logo que ganhou algum protagonismo no Bloco apressou-se a arranjar tacho para a mana. E agora já não aponta o dedo a ninguém quando o fazia a toda a gente no anterior governo. Não nos devíamos admirar tem o gene da falcatrua no sangue.

Vejam o Orçamento de 2017 e se tiverem alguma atenção verificarão o embuste, a aldrabice, a cobardia de quem não sabe o que fazer e continua a política do anterior governo que, como se disse, foi desastrosa. Só que agora não temos a CGTP a espernear porque se o fizesse ofendia o PC. Não temos os Verdes, que são vermelhos, a estrebuchar porque também eles são parceiros da geringonça. Não temos o Bloco porque é um partido parasita que se alimenta do sangue do hospedeiro e como parte integrante do embuste e da palhaçada não pode falar. O Poder está a cair-lhe no colo sem ter feito nada por isso e então, é bom comer e calar. Os próprios movimentos cívicos como o dos aposentados da Maria do Carmo despareceram do mapa como por magia, não fosse a senhora uma socialista de sempre e do Sócrates como do Soares.

É esta a situação, meus amigos, que vivemos e deixamos andar como se nada fosse e, não tardará muito, lá virá, não o Passos que é incompetente e ignorante, mas uma direita qualquer a ir aos bolsos dos desgraçados dos trabalhadores e dos pensionistas para um outro resgate que já está a caminho.

E, se nos lembrarmos bem, isto só foi possível devido a uma esquerda direitista, estalinista, fascista que, se acolhe debaixo do guarda-chuva da esquerda para não ser conotada como verdadeiramente é: fascista, revanchista, incompetente, esbanjadora e delapidadora do bem público.

Quem viver verá.



16 de Outubro de 2016



José Rainho Caldeira  

domingo, 14 de agosto de 2016

Políticos

Custa-me escrever sobre este tema mas enoja-me a forma e o conteúdo, de tal maneira, que não resisto. Trata-se das pensões vitalícias dos politicos. São mais 332 e apenas um teve a dignidade de prescindir dela. Honra ao Marques Mendes. Os Homens não se medem aos palmos.
Considero este dislate um roubo a todos aqueles que descontaram para a Caixa Geral de Aposentações e todos aqueles que ainda hoje descontam.
Já não chegava a majoração da contagem de tempo de serviço prestado à política a cem por cento de todo o bicho careta, do mais reles e  hediondo presidente de câmara ao mais obscuro e incompetente deputado indo até ao mais reles e corrupto governante, agora ainda aparecem estas alimárias, muitos desertores, alguns traidores à pátria a receber esta benesse que é uma choruda pipa de massa.
Considero um insulto que um pulha, um sanguessuga, um usurário vir dizer que os mil e tal euros que lhe vão adicionar à escandalosa e desonesta pensão de 40.000€ mensais não é favor nenhum porque deu muito à política. Razão apontada por esta calvagadura.
Por isso quero que todos estes pulhas vão trabalhar e nos deixem em paz.

sábado, 23 de janeiro de 2016

VÉSPERA DE ELEIÇÕES PRESIDENCIAIS

Estamos em dia de reflexão para as eleições presidenciais. Estamos fartos, arrisco a dizer, todos de uma campanha eleitoral tão longa pois já vem desde o primeiro trimestre do ano de 2015. Por eu espero e julgo que o País também espera, que amanhã fique tudo resolvido e não seja necessário uma segunda volta.
Espero que o novo Presidente tenha a coragem de acabar com as mordomias da Presidência da República. Espero que acabe com a caterva de assessores, na sua maioria inúteis, que não tenha primeira dama que é um ornamento dispensável e custa milhares a todos nós. Aspiro a que o Presidente eleito tenha a coragem de promover uma alteração à Constituição para acabar com despesismos inúteis. Para acabar com mordomias de deputados, de membros do governo e dos próprios Presidentes da República que deixaram de o ser.
Não se conhece em País evoluído que um ex-presidente da República continue a ter Gabinete de Trabalho onde lhe apetece, motorista, carro e guarda costas, nalguns casos mais de vinte anos depois de ter exercido os seus mandatos, tudo pago pelos contribuintes. Isto é uma profunda aberração e´, por isso, é preciso que alguém acabado de ser eleito tenha a coragem de acabar com tudo isso. O ex-presidente, como qualquer ex de qualquer outra coisa quando muito deve ter direito a uma pensão para viver com dignidade.
Não sei se esta aspiração será concretizável. Não vi nenhum dos dez candidatos (é uma fartura desta tralha) apresentar um programa exequível. Não se conhecem, pois, os propósitos de qualquer deles, incluindo do que, eventualmente, venha a ganhar. Todos os discursos foram redondos, em torno da Constituição, na perspectiva nela contida de que o seu dever é cumprir e fazer cumprir a dita.
Nas monarquias os reis eram quase como ser destinados pelo Divino e, como tal, tudo lhes era permitido, pelo menos na antiguidade. Hoje os reis existentes, salvo raras excepções, são educados para ser isso mesmo, Reis. Ou seja, são educados para defender e proteger o seu povo de toda e qualquer arbitrariedade.
Nas Repúblicas diz-se que é o povo quem mais ordena. Falácia. Nada de mais errado. Os Partidos manipulam vontades, atribuem ou prometem favores e o povo simples, ignorante e bajulador vai nessa conversa por isso estamos muito pior do que se fossemos uma monarquia.
Para não alongar e porque estou a reflectir se hei-de ir votar e em quem votar ou anular o voto, ficamos por aqui. Seja o que Deus quiser até que a gente, farta de tanta pulhice, gatunagem, privilégios, corrupção -estamos em 5º lugar num universo de 38 Países- como dos países mais corruptos, se lembre de pegar em armas e defender a Pátria com lisura, com honestidade e com ética moral, politica e social.
A ver vamos, como diz o cego.

terça-feira, 19 de janeiro de 2016

OS PULHAS!

Este País não é um Estado de Direito é uma caricatura.
Dizem que vivemos em Democracia e que devemos isso ao 25 de Abril de 1974 e aos Militares de Abril que derrubaram a ditadura. Tenho dúvidas que só a História Livre Independente e Rigorosa dissipará ou confirmará.
E não se venha com a saudade da ditadura que isso é coisa que não temos nem nunca nos identificámos com o regime mas pode e deve-se argumentar com a saudade de uma Justiça igual para todos. Uma Justiça dura e cega. Um tempo de honestidade, de princípios, de valores. Não é conhecida nenhuma Lei que protegesse Ministros, Chefes de Estado, Parlamentares. O dinheiro do contribuinte era considerado sagrado e por isso Salazar morreu pobre. Isto mesmo é afirmado pelo autoproclamado pai da Democracia, Mário Soares.
Agora a pulhice e o abuso do poder é um dado adquirido para quem entra na Política. Foi o 25 de Abril e a burrice dos Militares Corporativos - Capitães que queriam ser generais - que abriram caminho para esse abuso.
Vejam só que Juízes que o não são, em muitos casos, resolveram interpretar a Constituição e considerar como inconstitucional a Lei que retirava as Pensões vitalícias dos Políticos que exerceram funções durante 12 anos. Mas os mesmos juízes acharam bem que os funcionários públicos e os pensionistas pudessem ser espoliados dos seus vencimentos ou pensões porque estávamos em crise.
Agora a Caixa Geral de Aposentações que é resultado e proveito dos descontos de todos os funcionários públicos e pensionistas, muitos deles com mais de quarenta anos de serviço vê-se saqueada de cerca de dez milhões de Euros para pagar retroactivos de  pensões vitalícias a quem, apenas, descontou doze anos.
Se isto não é um roubo digam-me o que é? Se isto não é um abuso de poder e uma malfeitoria da e à democracia digam-me o que é? Se a existência de um Tribunal Constitucional não é uma malfeitoria da e à democracia digam-me o que é?
Se todos estes atropelos a coberto de leis iníquas feita por gente sem escrúpulos e que se diz democrata acontecem então o que lhe podemos chamar? No mínimo aproveitadores de um Poder que lhe é outorgado por tempo limitado. No máximo podemos dizer que são escumalha que se governa em vez de governar o povo. Que se serve e não serve os eleitores.
Neste contexto de que nos valeu ou vale a Democracia? Para podermos aqui falar sem que haja uma PIDE que nos leve presos? Se foi só para isso é muito pouco. Eu quero uma democracia de gente honesta e proba e onde os criminosos sintam que os seus crimes não ficam impunes, pelo contrário, serão punidos com rigor e dureza.
Estamos fartos de Pulhas e como tal exigimos que os candidatos a Presidentes da República sejam garantes dessa honestidade e probidade e não mais um a delapidar o dinheiro dos contribuintes.

quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

DESPERDÍCIO...

Não sei se estou certo ou errado, o caso é tão estapafúrdio que vai para além da minha compreensão.
Cá no Burgo existe um equipamento que custou milhões e que é indispensável à saúde da população, cada vez mais envelhecida e mais carente em termos físicos e mentais.
Falamos da Piscina Coberta Municipal. Não sendo nada de extravagante como algumas se vêem por esse País fora, satisfaz plenamente as necessidades de populações simples e pouco habituadas a mordomias.
A sua construção deve ter custado uma pipa de massa e a sua manutenção também não deve ser coisa de somenos.
É dos equipamentos que o concelho tem que mais utilizadores tem tido. São as crianças pequeninas a aprender a nadar, são os adolescentes e jovens em idade escolar que praticam natação, são os idosos que, a maior parte por indicação médica, vão fazer hidroginástica para melhorarem a sua qualidade de vida, mantendo alguma mobilidade e flexibilidade e aliviando dores próprias de ossos já cansados.
A tal ponto que, durante anos, até os nossos vizinhos espanhóis vinham usufruir deste equipamento.
O pagamento era bastante módico mas, mesmo assim, era uma receita municipal, que ajudaria nas despesas diárias obrigatórias.
Este ano, sem que nada o fizesse prever, a piscina esteve encerrada até Dezembro passado e agora, tendo aberto, tem horários praticamente incompatíveis a ponto de não ter ninguém fora das Instituições, Escolas e Academia Sénior, inscritas para a tão preciosa hidroginástica.
O Professor que durante anos, cerca de uma dezena, especializado nesta área, assegurou o serviço foi dispensado e encontra-se no Desemprego. Não se valorizou a experiência adquirida e, sabe-se lá porquê os donos da Câmara dispensaram os seus serviços. Não se escandalizem com a palavra "donos" porque estando eu consciente de que o não são pois apenas foram eleitos para administrar o que é nosso, não usam das prerrogativas para que foram eleitos para servirem as populações mas sim para se servirem a si e às suas clientelas, como autênticos donos, sem darem "cavaco" à populaça. Esta só serve para ir votar depois é gente a desprezar.
Pessoalmente não consigo entender estes Senhores que, se imbuídos de Moral e Ética Republicana, saberiam que estão nos lugares para servirem o Povo e não para se superiorizarem a ninguém. Porventura ainda é uma cultura de caciquismo que vem dos tempos de João Franco, um beirão, que foi o último ou dos últimos Ministros do Reino em final da Monarquia Constitucional.
É pena. Porque não só é mau para as pessoas como é péssimo para os detentores do Poder que, independentemente da sua qualidade, competência ou nem uma coisa nem outra, são. em regra arrolados todos pelo mesmo rasoiro, "como sendo todos iguais, o que querem é tacho". Até é possível que haja alguma injustiça nesta generalização, mas factos como aquele que acabamos de descrever leva a que as pessoas deixem de acreditar nos seus líderes. Mais uma vez dizemos: - É Pena. Muita pena.

Zé Rainho

sábado, 9 de janeiro de 2016

Leituras

É um dos meus vícios, ler e analisar o que leio.
Leio sempre mais do que um livro ao mesmo tempo. Felizmente mantenho a capacidade de o fazer sem perder o fio à meada.
As últimas leituras têm-se diversificado por um livro que tenta desvendar alguns segredos da Associações Secretas como a Opus Dei e a Maçonaria. É de arrepiar. Fiquei a saber as opções de algumas pessoas que de há muito estão na ribalta política, na Comunicação Social, no Poder financeiro, nas Universidades, nos Serviços Públicos, nomeadamente nos Serviços Secretos, nas Magistraturas, enfim, em lugares de topo e de decisão que mexe com a vida de todos nós. Já tinha essa percepção mas fiquei com a certeza de que muito pulha que nos tem governado está, de uma forma ou de outra, mais ou menos intensamente, ligado a estas Organizações que são um estado dentro do Estado.
Para lavar o cérebro estou ainda a ler o último livro de Filomena Mónica que nos fala de arte, de viagens, de saber, de cultura, de viagens onde destaca a Renascença sentida em Florença e as alterações sociais no Reino Unido, ou Grã-Bretanha. É uma lufada de ar fresco que importa aspirar para não se morrer intoxicado com tanta podridão.
Pelo meio vou lendo a imprensa diária e semanal onde fico embasbacado com tanta ignorância e tanta falta de profissionalismo do Jornalismo caseiro. Também não deixo de ver TV onde pontificam as vedetas milionárias que com os seus ordenados pornográficos nos ofendem só de aparecerem e nos chocam com as imbecilidades produzidas.
Pelo meio assimilo notícias dúbias do Governo, a dizer sim e não, ficando pelo talvez, na maior parte das vezes. O mesmo acontecendo com a actividade do Parlamento que é um chorrilho de asneiras vindas de todos os quadrantes, o que não deixa de ser preocupante para quem se interessa pelo País e pelos seus naturais.
A finalizar a feira de vaidades da campanha eleitoral para as Presidenciais. Este acontecimento que não deveria existir e que não serve rigorosamente para nada. Independentemente de quem ganhe estas eleições o Presidente ou a Presidente não passará de mais um corta-fitas e de um distribuidor de comendas que nada representam, não servem para coisa nenhuma, e gastam milhões.
Ficamos por aqui hoje.